Matemático alemão, ganhador da medalha Fields, é destaque na imprensa

Medalha é considerada como um prêmio Nobel para pesquisadores da matemática

O matemático alemão Peter Scholze, de 30 anos, o mais jovem entre os quatro pesquisadores agraciados este ano com a medalha Fields, foi destaque em diversos veículos de comunicação da mídia nacional e estrangeira. O prêmio é considerado como um Nobel para pesquisadores da área.

No El Pais, Scholze foi apontado pelo pesquisador José Ignacio Burgos, do Instituto de Ciências Matemáticas, da Espanha, como um “dos matemáticos mais brilhantes de sua geração”. No New York Times, ele foi descrito pelo professor Peter Woit, da Columbia University (EUA), como “o mais talentoso de sua geração”. 

Nascido em Dresden em 1987, Scholze cursou matemática em apenas um ano e meio. Logo após completar seu doutorado, aos 24 anos, tornou-se o mais novo professor titular do Centro Hausdorff de Matemática, em Bonn. Aos 27 anos, recusou o prêmio New Horizons de 100 mil dólares sem nunca explicar o porquê. 

Recém-nomeado diretor do Instituto Max Planck de Matemática, ele é considerado o pai de uma nova classe de estruturas geométricas, os espaços perfeitoides – uma teoria que faz conexões entre álgebra, geometria, teoria dos números, análise e física quântica.

Em uma entrevista ao jornal O Globo, Scholze disse ser impossível explicar para um leigo do que se trata a sua teoria e que mesmo para os matemáticos era difícil, a exemplo do que tentou seu colega Kevin Buzzard, do Imperial College London, para o The Guardian.

Os nomes dos ganhadores da medalha Fields, concedida a cada quatro anos, foram anunciados no Congresso Internacional de Matemáticos, evento que está sendo realizado no Rio de Janeiro (RJ) até 9 de agosto. Os outros três ganhadores do prêmio foram o iraniano Caucher Birkar, o australiano Akshay Venkatesh e o italiano Alessi Fegalli.

Membros