Brasil - Agentes de inovação

Grande parte do desenvolvimento da inovação no Brasil é feito nos parques tecnológicos, com apoio de governos, instituições de ensino superior e técnico e empresas privadas. Outras organizações voltadas à produção industrial e de serviços também contribuem para ações inovadoras no país. Confira abaixo algumas iniciativas de sucesso.

Institutos Senai de Inovação (ISI)

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) prevê implantar, até 2017, uma rede de 26 institutos Senai de Inovação (ISI), em 13 estados brasileiros. Seu objetivo é o desenvolvimento integrado de produtos, processos, pesquisa aplicada, a solução de problemas complexos e a antecipação de tendências tecnológicas, contribuindo para aumentar a produtividade e a competitividade da indústria brasileira. Do total de institutos, 15 já estavam operando em 2015 com 122 projetos contratados. Os ISI são direcionados para diversas áreas do conhecimento, entre as quais estão: produção, microeletrônica, engenharia de superfícies e fotônica, materiais e componentes, tecnologia da comunicação e da informação, tecnologias construtivas, energia e defesa e micromanufatura.


Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii)

A Embrapii tem por missão apoiar instituições de pesquisa científica e tecnológica, públicas ou privadas, em selecionadas áreas de competência, para que executem projetos de desenvolvimento de pesquisa tecnológica para inovação, em cooperação com empresas do setor industrial. A organização tem como foco as demandas empresariais e como alvo o compartilhamento de risco na fase pré-competitiva da inovação. O objetivo é estimular indústrias instaladas no Brasil a inovar mais para potencializar a força competitiva das empresas tanto no mercado interno como no mercado internacional.

Parques tecnológicos

O Brasil conta com 28 parques tecnológicos em operação, segundo levantamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), divulgado em 2013 (acesse aqui). Outros 28 estavam em processo de implantação e 38 em fase de projeto. Dos 94 empreendimentos analisados, 78,7% se encontram nas regiões Sul e Sudeste.


Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento 

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) lançou em 2014 o Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento (PNPC), com o objetivo de articular os setores científico e tecnológico com as empresas. As plataformas serão estruturadas pela lógica da resolução de problemas, orientadas pela demanda de interesses estratégicos do País. Deverão gerar conhecimento, produtos e processos com alto impacto na ciência, na vida das pessoas e do país.

Membros