Brasil - Agentes de inovação

Grande parte do desenvolvimento da inovação no Brasil é feito nos parques tecnológicos, com apoio de governos, instituições de ensino superior e técnico e empresas privadas. Outras organizações voltadas à produção industrial e de serviços também contribuem para ações inovadoras no país. Confira abaixo algumas iniciativas de sucesso.

Institutos Senai de Inovação (ISI)

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) prevê implantar, até 2019, 25 Institutos Senai de Inovação (ISI) em 12 estados brasileiros. Deste total, 21 já estão operacionais, com 256 projetos contratados. Além desses, 241 projetos já foram concluídos. Seu objetivo é o desenvolvimento integrado de produtos, processos, pesquisa aplicada, a solução de problemas complexos e a antecipação de tendências tecnológicas, contribuindo para aumentar a produtividade e a competitividade da indústria brasileira. Os ISI são direcionados para diversas áreas do conhecimento, entre as quais estão: produção, microeletrônica, engenharia de superfícies e fotônica, materiais e componentes, tecnologia da comunicação e da informação, tecnologias construtivas, energia e defesa e micromanufatura.


Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii)

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) tem por missão apoiar instituições de pesquisa científica e tecnológica, públicas ou privadas, em selecionadas áreas de competência, para que executem projetos de desenvolvimento de pesquisa tecnológica para inovação, em cooperação com empresas do setor industrial. A organização tem como foco as demandas empresariais e como alvo o compartilhamento de risco na fase pré-competitiva da inovação. O objetivo é estimular indústrias instaladas no Brasil a inovar mais para potencializar a força competitiva das empresas tanto no mercado interno como no mercado internacional.

Parques tecnológicos e incubadoras

Segundo o estudo "Parques & Incubadoras para o Desenvolvimento do Brasil", publicado em 2015, para que o Brasil possa consolidar e fortalecer até 100 parques tecnológicos nos próximos 15 anos, estima-se que será necessário um investimento total de R$ 7,7 bilhões provenientes dos governos federal, estaduais e municipais, atuando de forma integrada com os programas já existentes.

De acordo com a pesquisa feita pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o País conta com 96 iniciativas de parques tecnológicos, 28 deles em operação plena. Os outros 68 estão em diversos estágios de desenvolvimento, alguns em projetos e os demais em implementação.

Quanto a incubadoras, um estudo realizado em 2016 pela Anprotec, em parceria com Sebrae, realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), revela que o Brasil tem 369 em operação, que abrigam 2.310 empresas incubadas e 2.815 empresas graduadas, gerando 53.280 postos de trabalho. O faturamento das empresas apoiadas por incubadoras ultrapassa os R$ 15 bilhões.

Membros